sábado, 6 de dezembro de 2008

Molde





Nós nos moldamos a medidas que vamos sendo exigidos
Somos maleáveis a tantas dores, tantas coisas, são eventos que não acabam mais
Dentre todos eles existem aqueles que nos formam, deformam e nos transformam
Eventos alegres geralmente nos fazem moldes de areia molhada, esculturas lindas e passageiras...

As dores, esculturas marcadas a fogo, formam cicatrizes para uma vida toda, nos fazem ser de aço...
Desprezo nos faz bonecos de gelo, faz-se um inverno longo de dentro para fora, transpassamos frieza...
Carinho nos faz afáveis, querem se aconchegar em nossa presença...
O medo nos faz soldados desprotegidos, sem armas no meio de uma guerra...

Forma-se o serzinho que é você...
Deparamos-nos e associamos sentimentos de outras pessoas...
Acolhemos pedacinhos e vamos montando-nos sem perceber,
E vamos dando origem a mutações, assim como se formam as dunas, os rios...

Onde conflitamos tudo, ficamos mais sórdidos...
Ficamos mais doces, e tudo é um reflexo do que recolhemos por ai..
E os conflitos continuam até que tudo é rearranjado...
E é uma nova mutação, sofremos nova mudança e com isso tornamo-nos um novo artesão...

Enfim...
Nós temos o poder de contradizer o mais provável,
Giramos o mundo com nossos sentimentos,
E portanto, somos mutações de acontecimentos aleatórios, somos começo e fim todos os instantes, repasse só o melhor.

3 comentários:

Janah Lourenzo disse...

Somos influenciados pelo meio...
pelas informações, percepções e tantas coisas do cotidiano.
Mas as vezes um simples acontecimento não tem o poder de transformação, é preciso algo mais forte, bruto, para que seja perceptível aos nossos olhos...
as vezes dói, fere, e não tem volta esse acontecimento, daí a gnt xinga, esperneia e só depois de muito tempo se dá conta de que foi apenas um sacode, um aviso que sabe dos céus para arrumamos o nosso interior, uma segunda chance.
mas acho isso meio cruel, pois as vezes esse sacode vem forte demais, como se os céus já tivessem tentando zilhões de vezes nos avisar, e em dado momento perdem a paciencia e nos sacodem de tal maneira que não ficamos de pé por um certo tempo...
Tenho um certo receio disso.. assim faço o possivel para perceber nos primeiros avisos as mudanças necessarias... ou nas atitudes do outro, ois este as vezes é um instrumento e alerta...
Gosto de contestar se o q tá escrito é praticado pelo autor... com vc? como tá? Se sido constantemente moldado? tem se deixado moldar? ou já petrificou?
me conta depois... ;)

lindo o post!

abraço...

larinha_obesant disse...

Concordo, Sir Shakespeare.

leticia lacerda disse...

q linduuuuuuuuuu!!!!


bju rafaa